Você está namorando a pessoa certa

5 sinais que indicam que você está namorando a pessoa certa É normal em toda relação amorosa queremos que dê certo. Que finalmente encontramos a pessoa certa, aquela que dividiremos nossa vida por muitos e muitos anos. Apesar de que vemos muitos casais que não estão durando, lá no fundinho do nosso coração queremos viver para sempre ... Você tem ex-namorado que foi tão horrível que você não pode deixar de se perguntar: 'Onde eu estava com a cabeça?' Junte-se ao clube. Se você gostaria de ter certeza de que você está com a pessoa certa, atente para estes 10 sinais de que você está namorando a pessoa errada. Lembre-se de que a única pessoa que você pode mudar é a si mesmo. Seu parceiro só vai mudar, se ele quiser. Se você está namorando para encontrar um relacionamento duradouro, amoroso, é muito mais eficaz escolher um parceiro compatível desde o início, do que tentar corrigir um relacionamento com uma base fraca. Quando você está namorando com alguém, muitas vezes você pode se perguntar se esta pessoa é o seu/sua eleito(a) ou não. Todo mundo tem uma lista escrita ou não escrita das qualidades que queremos em alguém. No entanto, devemos ter expectativas realistas e perceber que nos casamos com o potencial e não com a perfeição. Para ele, existem oito sinais que são imbatíveis para a gente descobrir se está ou não com a pessoa certa. Saca só! 1. Sem essa de “silêncio constrangedor” O primeiro passo na saga por encontrar alguém é escolher uma pessoa com quem você possa conversar. Até ai, normal! 8 sinais de que você está namorando a pessoa certa. Sinais de que a pessoa que você namora é emocionalmente saudável e te faz bem. Você é forte o suficiente para resistir a essas mini-tempestades. Você se sente ouvido; Poucas coisas são piores do que estar com alguém que simplesmente não entende ou tenta entender o que você está sentindo e pensando. Quando você está com a pessoa certa, você se sente reconhecido e realmente ouvido. Por outro lado, se a pessoa que você está namorando quase sempre monopoliza a conversa, não pergunta sobre você ou sobre o seu dia, e então se afasta quando você começa a falar, atenção! Estes são sinais claros de que ele não está realmente muito interessado em você como uma pessoa, exceto como uma audiência para eles. Saber se você está com a pessoa certa não é uma tarefa tão simples quanto pareça. Quer a sua relação tenha apenas alguns meses ou vários anos, para algumas pessoas é importante saber se estão com alguém com quem poderão ter uma família ou ao lado de quem poderão envelhecer. Você está namorando a pessoa certa? 6 chaves para descobrir Julho 18, 2020 O amor é uma das experiências mais gratificantes que um ser humano pode sentir, e ter uma pessoa especial com quem compartilhar momentos bons e ruins pode nos tornar imensamente felizes.

Cada vez mais quebrado e tentando juntar os cacos

2020.09.09 04:41 kriskastro Cada vez mais quebrado e tentando juntar os cacos

Gente, já li de tudo por aqui e adoro os temas sobre relacionamento. Dessa vez chegou a minha vez de desabafar. : PS: Sorry pelo textão, mas é que eu preciso externar um pouco de tudo pra ver se me serve de alguma coisa.
Já não sou mais um adolescente, mas também não chego a ser já um adulto de meia idade; mas tá perto rs. Tenho 27 anos, já beirando os 28. Nunca engatei definitivamente em um relacionamento sério e nem sei se sou preparado para isso efetivamente, serio mesmo. Minha família é meio fudi* sobre relacionamentos. Pais separados, confusões aqui e ali e até pelo que pude perceber sobre os que estão além dos meus pais, digo tios e tias, a situação não é muito animadora ou exemplar. Enfim, sinto até que de alguma forma por não ter bons exemplos ou referências em casa isso de alguma forma pode ter me afetado, me travado, ou até mesmo me ter deixado com um certo nível de ansiedade/panico. Sei lá. Moro com a minha mãe ainda e meu irmão mais novo.
Sou uma pessoa que simplesmente não sai e resolveu viver isolado na sua própria bolha; diria até que com poucos amigos próximos, digamos assim... (sabe daqueles que você pode literalmente contar com eles para o que der e vier? Pois é.). Já sou formado, pago as próprias contas, ajudo até de certa forma a segurar ainda a estrutura financeira abalada em casa. SIM, meu pai era o provedor do dinheiro como toda "família tradicional" brasileira; mas hoje me dia minha mãe já tem a fonte de renda dela que se complementa com a minha. E meu pai acho que ainda ajuda só por conta do meu irmão mais novo mesmo.
Enfim, sinto que o tempo vai passando e passando e a maneira como eu vivo hoje me incomoda. Não quero ter esse papel de "pai provedor" da família que eu ainda não tive, se é que me entendem. Sinto que preciso mudar e sair dessa zona de (des)conforto, mas ao mesmo tempo vivo um dilema entre a responsabilidade para com aqueles que estão comigo e a vontade de construir algo meu, a minha própria história. Agora assim, sair de casa pra (sobre)viver e ficar a ver navios é foda, até pq a vida sozinho é bad trip total. Nessa parte, já quero introduzir o tema o relacionamento que até então são inexistentes; penso que de alguma forma quando você tem alguém que vale a pena você lutar para que as coisas deem certo, e obviamente a pessoa também queira, de alguma forma os dois conseguem encontrar alguma felicidade em meio a tudo, mesmo diante das dificuldades.
Mas vamos lá que já estou é divagando aqui. Sobre relacionamentos: sou uma pessoa extramente fechada. Não saio. Como disse, sou de poucos ou quase nenhum amigo próximo. Não considero conhecidos ou colegas de trabalho como alguém que se pode contar muito, sabe. Obviamente pra não pirar da batatinha, pelo menos cresci aderindo ao hobby de jogar video games pra aliviar um pouco o estresse e até a deprê - na verdade herdei esse hobby da adolescência e acho que os sentimentos meio depressivos também. Tenho ps4 que mal jogo hoje em dia, mas ainda me divirto um pouco no pc com uma galera muito massa no lol kk. SIM. 27 anos jogando ainda League of Legends. Mas voltando... pra piorar um pouco, tenho de certa forma uma atração, ou sei lá um imã, pra garotas que são bem peculiares, digamos assim.
O meu primeiro contato na adolescência que talvez pudesse ter rendido um relacionamento foi com uma garota que conheci no Tinder. Eu deveria ter uns 17 anos mais ou menos. Nem tinha entrado na faculdade. Ela era gata e inteligentíssima, mas não me recordo o nome dela. Sente o drama: depois de semanas conversando e praticamente se descobrindo quase que nascidos um pro outro, ela me revelou que fazia tratamento para câncer e já faziam anos e mais anos na luta. As fotos dela eram de peruca, sabe. Tanto que depois de semanas ela começou a me mostrar as fotos já carequinha. Ela morava no interior e vinha de tempos em tempos aqui pra cidade fazer o tratamento dela. O namorado dela a deixou depois dessa bad trip. Enfim, um negócio pesadíssimo. Quase como A culpa é das estrelas. : O tempo passou, coisas aconteceram, a vida foi entrando numa velocidade frenética. A faculdade chegou, as provas, os semestres, os estágios, a rotina maluca e simplesmente fomos aos poucos deixando de nos falar e eu simplesmente não sei o final dessa história. Mas me arrependo quase que amargamente de não ter ido conhecer ela pessoalmente independente do desfecho.
Na faculdade, me apaixonei por uma garota. Mas nem vou me alongar muito. A thread da facul: depois de anos estudando juntos, me declarei pra essa garota e para minha surpresa uma amiga nossa em comum também fez a mesma coisa. A garota da história é bi e eu tinha total consciência sobre isso, mas só fiz o que meu coração mandou. Enfim, esse negócio não foi nem pra frente e nem pra trás. Nem eu e nem a nossa amiga em comum ficou/namorou essa garota. Mais uma vez o tempo foi passando e passando... até que terminei a faculdade e até onde tive notícias, hoje a garota que eu era apaixonado está namorando um cara aí. Enterrei esse amor e deixei o tempo cumprir o papel dele. Aconteceram outras coisas na faculdade também entre eu e uma outra miga, mas nem vou comentar pq não vem ao caso, simplesmente não era para ser e pronto e o pior é que até transa sem camisinha rolou kk #medo, mas calma que teve pilula e teste após isso. Então, nada de filhos não programados. Amém.
Após a facul e agora sim em um tempo mais recente. No trabalho, há uns dois anos atrás descobri que uma garota era perdidamente apaixonada por mim. Isso era novidade pra mim que já estava acostumado só com amor não correspondido, mas o drama aqui é que eu simplesmente não sentia a mesma coisa por ela. Olha só que ironia, não? Isso é foda, pq eu sabia como era gostar de alguém e isso não ser recíproco. Mas enfim, a garota foi demitida e com a demissão acho que foi-se qlq esperança de se construir algum amor - isso para os que acreditam que esse trem é construído tijolinho, por tijolinho. Eu só simplesmente não sei como funciona, desculpa.
Há seis meses atrás ou até mais, meu coração resolveu bater mais forte por alguém mais uma vez. Mais uma coisa que simplesmente não sei o pq diabos acontece, mas já aceitei que a vida é assim. Ela é uma colega de trabalho. O tempo passou, ficamos íntimos, conversamos muito, mas muito mesmo sobre absolutamente tudo. Literalmente tudo. A pandemia chegou e até hoje estamos de home office :p. O drama aqui é que eu resolvi me declarar para ela. Abri o jogo. Coloquei as cartas na mesa e joguei para ver o que iria dar. Como resposta tive um surpresa e um desagrado ao mesmo tempo. A surpresa foi em saber que ela se preocupa comigo tanto quanto eu me preocupo com ela, mas amigos... o sentimento que temos um do outro é bem diferente. Infelizmente! Ah e o drama aqui não vou entrar em muitos detalhes, mas a thread só não chega a ser pior do que a minha primeira história e a segunda. Talvez seja pior que a segunda. Envolve uma infância bem conturbada da parte dela, abusos do pai e até relacionamentos abusivos de ex. Mas como disse, não vou entrar em detalhes. Enfim, essa semana tive a noticia de que ela está com um cara ai e é isso, amigos. Mais uma vez quebrei-me em mais um monte de pedaços antes mesmo de saber o que é um relacionamento.
Agora assim, sabe o que é o pior de tudo? A sensação de baixa-autoestima que você acaba criando e acho que até uma certa ansiedade/nervosismo ou sei lá o que. Um sentimento quase como: qual é o meu problema? Será que eu não sou uma pessoa interessante? Estou fora do padrão do que costumam encontrar por ai? Enfim, neuroses que nem vale a pena perder tempo pra não cultivar bad trips. O tempo só vai passando e não há nada que eu possa fazer a respeito a não ser aceitar que as coisas são como são e pronto. E que simplesmente não sirvo para relacionamentos. Talvez isso me conforte de alguma forma.
submitted by kriskastro to desabafos [link] [comments]


2020.08.01 17:52 Natalia_Richarde2020 O DIA QUE FUI AMEAÇADA DE MORTE PELA EX

oi luba, turma, gatas maravilhosas, papeis assassinados, editores e possível convidado (que quase nunca tem), hoje vou contar minha triste historia de como fui corna e traída por amigos. bom luba essa é a minha primeira vez participando e espero muito que goste da historia.
ps: estou repostando, pq a anterior tinha alguns detalhes faltando e alguns erros de português ( me perdoe se ainda conter alguns), mas sem delongas vamos a historia.
Eu tinha uma amiga e a gente era bem próximas no período do ginásio e aí quando fomos para o 1° ano do colégio (2015) foi quando eu conheci um menino e a gente sempre foi próximos e por mais que ele trocava de turno na escola (por conta de trabalho),mas isso não interferia nossa amizade e nessa época ele começou a namorar essa amiga minha e cara eu shippava eles pra caralho e sempre apoiava e tudo mais, mas quando foi no 3°ano do colégio (2017) eu e esse meu "amigo" ("amigo" pq eu considerava ele mais um irmão) a gente caiu na mesma sala e aí ele sempre me pedia conselhos sobre o namoro pq segundo o que ele me contava, ela era muito infantil no namoro e tinha ciúmes demais e ainda tinha ciúmes de mim e tipo sempre dei conselhos para ele conversar com ela e assim se resolverem e essa amiga minha em vez de chegar em mim e perguntar as coisas para mim, ela simplesmente mandava outras pessoas perguntar sobre minha relação com o namorado dela e bom sempre fui sincera e sempre falei que considerava ele como meu irmão e que eu e ele não tínhamos nada. Mas ela sempre vinha com as criancices e tudo mais e depois dele passar o ano todo nesse chove não molha ele pediu mais conselhos para mim sobre e eu já tinha dado vários conselhos e o namoro deles não melhorava e o mais sensato quando isso acontece é o término (principalmente quando o diálogo não funciona mais) e aí eu falei para ele que se não tinha jeito que ele terminasse com ela, pq eu não queria o meu irmão sofrendo e assim ele fez e nisso começou o inferno, pois, ele começou a ficar com uma outra amiga nossa e ela começou a xingar eu e essa menina para o colégio todo e sempre quando alguém ia tirar satisfação, bom se fingia de que não tava fazendo nada e que os outros queria envenenar ela para nó,s blz os dias foram passando e aí eu e ele começou a ficar mais próximos, pois a gente cantava no mesmo ministério e aí a gente acabou começando a ficar serio e após 1 mês e começamos a namorar e aí a ex dele veio de mimimi para o meu lado sobre ele e dizia que ele amava ela ainda e aí eu contei que a gente tava namorando e tudo mais e que ele já tinha esquecido ela e que era pra ela seguir a vida dela(maldita hora que fui falar isso) essa menina começou a nos perseguir e nesse meio tempo conheci uma menina (meu namorado que apresentou ela)e ela se tornou uma irmã e ela sempre me ajudava em tudo ( guarde essa "melhor amiga/irmã", pois ela é importante), bom essa ex dele começou a nós perseguir e me atormentar e vindo conversar comigo no whatsapp (na maioria das conversas era nós duas brigando) e vinha postando indiretas para mim (e eu como uma boa pessoa retribuía as indiretas, com outras indiretas) e nessa época eu trabalhava e meu namorado sempre ia lá e passava um tempinho lá para me ver, mas teve um dia que ela viu ele lá e foi lá e sentou do lado dele e começou a me provocar tirando fotos dele e postando com legendas fofas e logo depois ela foi na mulher que cuidava do caixa e era amiga dela (essa mulher era bem próxima minha, era quase uma mãe no trabalho, foi ela que me ensinou tudo e me ajudou com tudo sempre, ou seja ela sabia da historia e ela iria me defender e me contar) e essa garota começou a falar que eu tava atrapalhando o namoro dela com ele e falando outras coisas além disso e tentando me envenenar para ela e meio que querendo que eu perdesse meu emprego, mas essa mulher já sabia da verdade e apenas acalmou ela e falou que se ela namorasse ela o pq de quando ele caiu de moto eu que estava lá do lado dele no hospital e não ela e quem cuidou dele foi eu e não ela e outras coisas e nisso ela saiu e a mulher veio conversar comigo e falar o que ela tinha falado e nisso eu comecei a chorar e tudo mais, pois meu psicológico tava totalmente abalado e estava totalmente frustada com tudo ( e também tinha medo dessa menina fazer eu perder meu emprego, pois era meu refugio aquele trabalho e por mais que era difícil lidar com as pessoas, aquele trabalho me fazia esquecer dos problemas em casa e no pessoal) e aí passou um tempo e ela ainda estava atormentando e um certo dia ela veio falar para ele que tava grávida dele (pois eles tinha feito fuc fuc 1 mês antes da gente começar a namorar ou seja, quando a gente estava ficando serio) e aí ele veio até mim e me contou tudo e eu perdoei ele e aceitei ele mesmo tendo um filho com ela e que estaria aqui para ajudar ambos no que precisar e umas horas mais tarde ela apareceu e começou a forçar ele a terminar comigo e ele falava que não ia terminar e ela ficava insistindo e aí eu perdi a cabeça e comecei a discutir com ela no meio da praça e todos olhando (puta vergonha que passei), mas aí como eu vi que ele não estava bem parei de discutir e ele foi conversar com ela e até que conseguiu fazer ela ir em bora e ai ele decidiu não assumir a criança, porém ajudar financeiramente ela e ela não aceitava essa ajuda nossa e fazia altos dramas ( de como ia ser o filho dela sem pai presente e tudo mais) e até que um dia a gente fez ela fazer exame para a gente realmente saber se era verdade a gravidez (como ela tinha uma certa fama de destruir relacionamentos dos outros, a gente foi ter certeza se procedia a história) e aí no dia que eles marcou os exames, meu namorado ia com ela neh, porem ela não esperou ele e tirou sangue sem ele e isso aí já fez a gente suspeitar da procedência do exame (pq o laboratório não era tao confiável), mas aí passou uns dias os resultados chegaram e dizia que ela tava realmente grávida e ainda sim existia a dúvida de ser dele e ela ainda continuava infernizando a gente e aí sempre que eu pedia conselhos para aquela "amiga" minha, ela sempre falava para mim terminar com ele e nunca me apoiava e tudo mais e isso me fez ter um pulga atrás da orelha sobre fidelidade dela (mesmo ela falando que ele não fazia o tipo dela, pq ela pode estar mentindo e a fama dela não era tão boa assim, tanto que tinha vindo pessoas me alertar sobre ela) e comecei a ficar esperta, pq meu namorado sempre que a gente ia sair ele gostava de passar na casa dela e tudo mais (e também comecei a ficar alerta, quando meu cachorro avançou nela, sendo que ele é amoroso e tem teorias de que cachorro tem o sentido de descobrir que não tem boas intenções e isso já me deixou encafifada e também teve um dia que a gente foi na casa dela e eu meio que me senti excluída ) e aí um dia a gente marcou de ir eu, meu namorado e a ex dele para a gente sentar e conversar sobre e bom esse dia chegou e após muita discussão ele me escolheu e ela não queria aceitar e começou a fazer chantagem e ainda mandando indiretas para mim por celular e a gente discutia sempre no whatsapp e aí teve um dia que ele foi por um ponto final e aí ela me ameaçou de morte e tudo mais (pse ele gravou um áudio sem ela perceber e ela me ameaçava e falava que se ela não podia ficar com ele, que eu não ia ficar e que ela poderia ir pro inferno por me matar, mas ela não se importava) e quando descobri isso fique desesperada e com medo e com raiva por ele nunca por um ponto final e tudo mais e isso tava me fazendo perder muito cabelo e eu ter crises de ansiedade, pois estava aguentando essa barra toda sozinha, pois não tinha apoio de ninguém (minha mãe sabia do namoro, porém nunca fui de dividir os problemas com ela e ela amava meu namorado) e aí um dia a ex dele teve um aborto espontâneo e aí ela parou de nós infernizar (esqueci de falar que ela sempre falava que ele só está a comigo para fazer ciúmes nela e tudo mais kkkk sendo que ele odiava ela) e aí a gente começou a ter paz, porém ele começou a ficar mais distante (ele falava que eu era a que tava distante, sendo que eu sempre fazia textinho e ele sempre falava as mesmas coisa que ''ele estava surpreso e não sabia o que dizer'' e demais desculpas esfarrapadas e até gastei 150 reais em uma aliança nova, pois eu tinha perdido a outra numa viagem e cara sempre fazia surpresas eu dava 100% de mim e ele nem 50% dele e isso me deixava muito triste e insegura comigo mesma) e um dia ele foi trabalhar em uma festa e aí ele me traiu com uma outra amiga nossa e ele falou que não foi culpa dele e que a menina que tinha beijado ele e tudo mais (e eu a trouxa perdoei)(esse rolo todo foi em 2018) e aí o ano passou e faltando 2 semanas para acabar fevereiro de 2019 ele me pediu um tempo e nesse período aquela minha "amiga" começou a postar fotos com ele com legendas fofas e tudo mais e era todos os dias praticamente e aí eu me afastei dela e aí nesse período saiu o resultado do meu vestibular e eu consegui passar aonde eu queria e aí eu e meu namorado marcou de conversar e resolver o nosso namoro (pq eu tava quase indo para outra cidade por causa da faculdade) e a gente foi no dia que a gente completava 1 ano de namoro e aí ele chegou deu feliz 1 ano e aí começou a falar que me amava,mas que ele tinha medo de eu ir para outra cidade e trair ele ou conhecer alguém melhor que ele e tudo mais (sendo que qualquer babaca seria muito melhor que ele e serio eu trair ele? esses medo era pq ele era o infiel da relação)e aí ele falou que se eu queria terminar com ele e aí eu falei que seria melhor a gente terminar, pq se pra ele nosso relacionamento a distancia não ia funcionar, então para que continuar e aí ele veio me abraçou e começou a chorar, porém percebi que aquele choro não era muito verdadeiro e aí eu chorei vindo para casa, mas era um choro dele alívio e um pouco triste por ter que contar para minha mãe que a gente tinha terminado, pois como a gente terminou eu estava tranquila que eu não iria sofrer mais e assim iria para outra cidade e não precisarei conviver com aquelas pessoas e aí alguns meses após o término meu ex veio conversar e pedir desculpas por tudo que ele tinha feito e pedir uma segunda chance, pois ele tinha se arrependido de tudo (pq ele tinha namorado e essa menina tratou ele tão mal, quanto ele me tratou e aí ele se deu conta das merdas que ele fez com quem realmente amava ele e que sempre cuidou e quis seu bem), porém após esse término eu comecei a ter mais alto estima e perceber que eu merecia alguém muito melhor e que ele e aí eu naturalmente dei um fora (ele começou a falar coisas do tipo ''você fazia cursinho fora e você acha que eu não iria desconfiar de algo'', insinuando que eu tinha traído ele e eu me estressei e comecei falar e por pra fora tudo e ai ele viu o quão errado ele estava) e uns dias depois um amigo meu veio me contar que esse ex meu tinha ficado com essa "amiga" minha um pouco depois que a gente terminou e eu fui e perguntei para ele e ele me confirmou e aí eu cortei minha amizade com aquela "amiga" e aí ele queria continuar a amizade comigo e eu aceitei, porém sempre fui fria e aí ele veio reclamar que eu não era a mesma e que eu estava fria com ele e aí eu falei que depois de tudo ele queria ainda que eu fosse igual com ele e fingisse que tava tudo ok e aí ele parou de falar comigo, por atualmente eu já os perdoei e queira que ele sejam feliz, contei para minha mãe os reais motivos de eu ter terminado com ele uma semana depois de ter me mudado para outra cidade, pq eu não tinha coragem de contar cara a cara e aí lubinha atualmente eu encontrei alguém que realmente me ama e me valoriza do jeito que sou e sempre me anima e sempre está disposto a tudo por mim, tanto que foi ele que me apoio a vir contar para você essa historia (eu e ele te assiste e então sempre que a gente joga a gente usa algumas frases suas), bom lubinha tenho algumas prints das conversas e queria muito poder deixar aqui para você ver, mas não sei como faz para colocar kkkk, a já ia esquecendo de contar que essa ex namorada dele sempre tentava fazer meu amigos se virarem contra mim, porem não conseguiu e então é isso lubinha essa é minha historia de quando fui traída em um relacionamento e em amizades . bjs lubinha e obrigada por todas as noites de diversão que você me proporciona (principalmente com o quadro nice mendigos e sempre coloco eles quando estou com crise de ansiedade ou insonia, pois me ajuda a acalmar e dormir) e caso queira julgar quem foi o babaca da historia pode ficar a vontade (apesar de eu achar que todos foram kkkkk). é isso lubinha,bjs e desejo todo o sucesso do mundo para você, seus editores e turminha. então é isso bjs lubinha, amo você.
submitted by Natalia_Richarde2020 to TurmaFeira [link] [comments]


2020.07.29 01:02 heartlessncold Problemas familiares

Desde que eu me entendo por gente, minha mãe sempre me cobrou que eu agisse da forma como ela bem entendesse e, quando isso não acontecia, ela me manipulava/reprimia ou até mesmo me tirava coisas básicas (tipo aqueles pais que não te deixam jantar porque brigaram com você).
Quando fui crescendo, fui percebendo certos sinais disso e comecei a mentir para me livrar de certas exigências dela. Eu não podia, mesmo indo e voltando sozinha da escola (que era no centro do rio de janeiro) sair com as minhas amigas, ter um namorado e nem nada disso até os meus 18 anos. Mentia para conseguir sair, mentia para conseguir namorar e tudo isso (e sim, sei que isso é errado, mas era o jeito que eu encontrava na época).
O período maior de privações que ela me fazia passar em relação a vida social e amorosa só afrouxou quando eu fiz 18 e entrei pra faculdade. Mas, ainda assim, ela tenta me manter sob o controle dela das formas mais manipuladoras possíveis - recentemente até admitiu que fez de tudo pra eu terminar um namoro que tive em 2018.
Bom, agora eu estou namorando outra pessoa, que é totalmente livre e tem uma ótima relação comigo e com as pessoas ao seu redor. Porém, quando essa pessoa está perto dos meus pais, eles fazem questão de que a conversa envolva apenas eles e meu namorado, me excluindo totalmente de algo que eu deveria participar. Isso me deixa triste e, acima de tudo, incomodada porque, na verdade, o namorado é meu.
Pois bem. Esse fim de semana meus pais viajaram e voltaram domingo à tarde e meu namorado estava aqui (eles sabiam disso). Dessa vez, eles não conversaram muito com ele porque foram fazer as coisas deles e eu pensei "ah, tudo bem, eles devem ter percebido que não é pra ficar alugando o cara enquanto ele tá aqui claramente por causa de mim".
Nada disso.
Ontem eles começaram uma briga horrível comigo, me xingando e dizendo que eu sou uma filha da puta incapaz, arrogante de merda e que eles esperam que eu me foda muito pra perceber que nem eles próprios estarão ali por mim. Inclusive, falam que eu nunca consegui nada sozinha, que foi tudo eles que me deram (isso porque eles são professores e eu sou estudante de direito - ou seja, são áreas totalmente diferentes e que eles nunca sequer entraram em contato. Além disso, eu estudei a vida toda em instituições públicas, elaborei meus projetos e fiz minhas coisas sempre sozinha). Desde ontem, sinto vontade de sumir dessa casa mas, infelizmente, não tenho recursos financeiros pra isso - até porque, eles deixam bem claro que vão virar as costas pra mim se eu sair de casa.
Já tentei conversar, mostrar meu ponto de vista, buscar um ponto comum mas, sempre que isso acontece, eles me mandam calar a boca e todos os xingamentos retornam. Não sei mais o que fazer. Não consigo atendimento psicológico e estar 4 meses em casa com eles só piora tudo. Sinto saudades da vida normal justamente porque não precisava aturar esse tipo de coisa o dia inteiro.
submitted by heartlessncold to desabafos [link] [comments]


2020.07.26 07:48 Xocolate_Amargo Não sei q p*ha sou e minha relações familiares.

Oi ser humano do outro lado, vou me chamar de Xoco nesse post, e tds os nomes fictícios.
(Só um ponto: meu pai tem 8 filhos e eu n conheço tds, acho q nem ele)
Uma explicação rápida sobre minha família: Meus pais estavam quase se separando qnd nasci, só servi pra segura-lós por mais 8 anos (¯_(ツ)_/¯).
Depois do divórcio, meu pai ficou com minha guarda e de meus 2 irmãos mais velhos, assim sendo: Yui (13 anos), Yva (10) e eu 8.
 Minha mãe tem um problema de coluna q a incapacita de trabalhar com carteira assinada, resumo: ela se vira com bicos e 1 aluguel. 
Tenho uma irmã de 30 anos (K, só k pq ela é o oposto de uma Karen) ela não ODEIA minha mãe... Mas não gosta dela pq qndo minha mãe tinha 17 (grávida do Yui), foi morar com ela, q tinha 12/13 e meu pai, na casa dele. (a K é minha irmã de outro casamento) e minha mãe tinha TOC, então a Eva (minha mãe) era mto chata. um irmão de 21 (vamos chama-ló de Wall. Não sou tão próxima dele quanto da K.) e vejo ele menos q o Leon achando um Porigon.
Meu pai é das antigas, ele não diz que é homofóbico, mas é do tipo "Sem preconceito, mas..." ou dizer "Morde-Fronha", "Bicha/Bichõna"...
Minha mãe não é tãaao das antigas, porém não gosta que eu use roupas q ela diz ser de menino, e diz que por ser menina devo usar roupa "de menina", me maquiar e talz; assim como minha madrasta.
Depois do divórcio meu pai teve alguns namoros, e ele namora atualmente a Nie (minha madrasta) a dois anos (namoro mais duradouro desde o divórcio em 2014/2015)
Ela tem três filhos:
★Price: uma menina mimada pela avó e desorganizada pra kssete (queria estar exagerando). (11 anos)
★Itachi: Grita toda hr por causa de jogo, sempre deixa a mesa da cozinha suja com as louças que ousou pro café/almoço e não retira a mesa. (Aqui em casa cada um lava oq usa e tem que retirar a mesa se é o último) (16 anos e menino)
★Tasmanha: um molequinho de 9/10 anos que destrói td que toca por que sabe que vai ganhar um novo. Sempre mente qnd pode pra se safar e acaba ferrando os outros por isso. Grita alto e agúdo td hr, e faz xixi na cama td dia.
(Um ponto forte é que eu e meus irmãos Yui e Yva perdemos a confiança no nosso pai dps q ele quebrou várias promessas importantes pra nós de uma vez só, por puro egoísmo e dps agiu como se nada tivesse acontecido, nós só fingimos de volta. Pelo fato de eu e K temos uma alta diferença de idade, não somos tão próximas qnt eu queria. Ela tem um esposo e duas filhas, não tão importantes pra história. [Ela tmb já perdeu 2 bbs]).
Tem muita história, porém é te que eu consigo resumir. 
Ps. Atualmente Yui tem 19 anos, Yva (comunidade n permite dizer) e eu (comunidade n permite dizer).
Personagens introduzidos, vamos a história:
Nunca gostei de me maquiar e usar roupas "de menina", acho até legal as vezes qnd tô sozinha, eu fico tipo: "Nossa, que legal, mas isso incomoda pra krl..." Como uma vez que eu avia me maquiado (pq minha madrasta insistiu) e Yva me disse:
—Nss, vc tá muito bonita! Kkk –Pô, valeu! Kk E eu fiquei: "Isso foi um elogio... Pq machucou tanto?!" Eu gostaria de me entender. Entender pq de uma hr pra outra me senti mal com um elogio?! Isso aconteceu a um tempão e eu nunca esqueci. Gostaria de ser tratada como meus irmãos, jogar jogos e me divertir como eles. De uns tempos pra cá venho me questionando mto sobre minha sexualidade e gênero. Desde que me lembro sempre fui fã de vestir roupas "de menino" e jogar jogos "de meninos". Sempre odiei estar conversando com as garotas sobre as coisas que considerava superficial, como os draminhas e outras idiotices. Por conta disso as meninas raramente brincavam/conversam cmg. E os meninos não querem estar cmg pelo fato de eu ser uma garota... E nunca me senti desconfortável qnd se dirigiam à mim como "ele". (Não que eu me sentisse desconfortável com "ela".) Eu antes de conhecer o conceito trans/gênero fluído queria cortar meu cabelo longo bem curtinho e andar em meio a pessoas desconhecidas, pra fazer amigos usando uma indentidade masculina. A um dia eu conversava com meu irmão sobre um anime e chegamos ao assunto sobre nossa relação familiar. Como qualquer adolescente meus irmãos já tomaram cerveja e outras bebidas alcoólicas por estimulação dos tios da família. Enquanto eu... Aaah não-- O mas importante é que falamos sobre os rolês deles (Yui, Wall, Yva e seus miguxos) e eu disse: —Tenho certeza que se eu fosse um garoto vcs me envolviam, né? Kkk 
E ELE NEM NEGOU, só mudou de assunto
Mas oq me irrita não é só não poder pedir ajuda pra minha família por medo do possível clima depois (principalmente pq sempre denfendi a comunidade LGBTQ+ mesmo antes de me descobrir nela, e sei que eles diriam coisas do tipo "sempre soube, kk" que me machucariam mto, pq eles me jugariam como lésbica [já até fazem as vezes] por causa disso, oq nós leva ao próximo tópico) E sim o fato dos meus parentes mais próximos sempre se referindo ao futuro dizendo que vou casar e tal, mesmo eu já negando meu desejo por uma festa estúpida feita apenas para unir recursos, algo que de certa forma foi cultivado até hj. Não quero assinar um papel pra mostrar o quanto amo uma pessoa. Isso é ridículo. Menos festas de despedidas de solteiro. Elas são legais. (já pararam para pensar que se chama despedida de solteiro quando você está namorando¿?)
Sexualidade. Mano... Eu não tenho nenhum desejo carnal. E estaria td bem se derrepente: boom! Começo a sentir sexualmente atraída por alguém?? Então percebi q sou demissexual. (Mas apenas pelo sexo masculino.) 
Eu queria explicar mais do meu ponto de vista, pra dar sentido ao q falei das pessoas, porém o post seria enorme :') Talvez eu faça uma continuação e explicando td que ficou de fora, inclusive o pq não desabafei com a K ou algum 'amigo'. É só isso, não sei se sou uma tomboy, gênero fluído, ou um trans. :')
Obrigado por lerem! 
submitted by Xocolate_Amargo to desabafos [link] [comments]


2020.07.07 20:58 sabugosemmilho Vida sexual completamente frustrada na quarentena

No final de 2019 as coisas estavam caminhando na minha vida, estava namorando e tinha sido promovido no trampo, o que me deu a oportunidade de arranjar um apê e ter a experiência de morar 100% sozinho, que era um objetivo meu desde os 18. As coisas caminharam e eu estava adorando a independência e o meu cafofo, mas ai 2020 veio para estragar a festa. Além do corona, logo em Janeiro a minha namorada recebeu uma proposta de emprego e decidiu aceitar, o que me colocou de volta na vida de solteiro. Eu entendo o lado dela, somos muito novos para se amarrar em um lugar, principalmente considerando que estávamos namorando só a 8 meses. A nossa vida sexual era muito boa, e nunca saímos da “hooney moon phase”.
A quarentena (que sigo até hoje, graças ao abençoado trabalho remoto) começou 2 meses depois do término, o que não me deu muito tempo para flertes e lances. Baixei o Tinder logo em fevereiro, mas não tive nenhuma sorte ali. Inclusive achei bem bosta ter que ficar puxando papo com gente que eu nem conheço, e aparentemente um “Oi, tudo bem?” é a pior ofensa possível nesse ambiente de dating online. Parece que você tem que ter um ato de stand-up para as primeiras mensagens, se não nem rola trocar número, e quem dirá um encontro. Com a quarentena as coisas foram pro ralo de vez. Nem tinder, nem lance, nem flerte, nem mesmo ninguém. Já faz quase 5 meses que eu não tenho nenhum contato físico, e sinceramente, estou ficando louco.
Eu achei que eu aguentaria bem ficar sem sexo. Desde 18 que as coisas meio que davam certo naturalmente. Sempre conhecia alguém na faculdade ou nos barzinhos da vida. Mas de repente tudo isso nem existe mais, e cá estou eu desejando um abraço do entregador de pizza. Confesso que está foda. E o pior de tudo é que eu acho que estou entrando em um buraco. Cada dia que passa nesse isolamento eu me vejo mais e mais aprofundado nas minhas próprias ideias, e menos eu entendo de como manter essa vida social ativa que todos comentam. Nunca fui um Don Juan nem nada, mas agora eu nem sei como eu começaria a conhecer gente nova. Não consigo nem me imaginar numa noitada chegando em uma desconhecida ou qualquer outra coisa. Parece que do nada a naturalidade morreu pra mim. Mesmo no pós-covid, se existir, as responsabilidades da vida adulta não me deixaram espaço para dedicar a vida amorosa. Teria de haver um milagre para que eu conhecesse a pessoa certa, e conseguisse me aproximar dela e desenvolver um relacionamento.
Esse é meu desabafo. Estou extremamente excitado, mas sem ter onde gastar essa energia, e acabo pensando demais sobre meu futuro amoroso. Tá foda pra mais alguém? Eu só queria ter uma foda…
submitted by sabugosemmilho to desabafos [link] [comments]


2020.07.04 08:50 fuq_daniel Não consigo esquecer uma pessoa e seguir em frente com a minha vida

Eu tinha postado isso a um tempo no advice mas fui completamente ignorado, descobri esse em pt-br e espero que aqui seja diferente, desculpem a preguiça mas eu só fiz copiar e colar mesmo texto e joguei no tradutor, então se tiver algum erro espero que consigam entender o contexto, caso tenham alguma dificuldade o texto em inglês e "mais legível" está aqui, obrigado pelo tempo de vocês!

Em 2015 eu entrei no ensino médio, logo no início do ano eu vi uma garota de uma sala de aula que estava antes da minha aula, era como se eu me apaixonasse instantaneamente, nunca tinha sentido isso antes, mas sou muito tímida e insegura comigo mesmo e o tempo passou e passou e foi só depois de quase um semestre inteiro que tive coragem de entrar no quarto dela e ligar para meu colega para dizer que o professor estava chegando, felizmente o grupo de pessoas com quem ele estava falando era o mesmo grupo de amigos que essa garota e, em seguida, ele me apresentou ao grupo, e assim minha amizade com eles cresceu, a um nível em que passei mais tempo no quarto deles do que no meu, e um dia tive coragem de conversar com a garota Eu estava secretamente apaixonado, ela estava sentada na última cadeira com a cabeça sobre a mesa, então perguntei se ela estava bem e ela disse que não e que queria ficar sozinha. Entendi a mensagem e a deixei. com o passar do tempo, tentei conversar com ela e quando estava chegando perto do final do ano já éramos melhores amigas, como eu disse, passei mais tempo na sala de aula dela do que na minha, consequentemente não participei de aulas na escola e repeti o ano enquanto ela passava.

Em 2016 eu estava fazendo meu primeiro ano do ensino médio novamente e ela estava no segundo ano, ela começou a namorar e eu ainda não tinha falado sobre meus sentimentos, mas todo mundo sabia que, no fundo, eu gostava dela, eu era o cara que as pessoas apontaram e disseram que fizemos um ótimo casal, o cara que as pessoas apontaram e disseram "esse cara gosta dela", mas a única coisa que eu sabia fazer era negar esse sentimento, com medo de que, se eu me abrisse para ela, nós acabávamos nos afastando um do outro, e eu gostava tanto dela, que ainda me lembro de um pensamento que tinha naquela época: "Eu gosto muito dela, por poder estar perto dela, de poder vê-la todos os dias na escola, já me sinto a pessoa mais feliz do mundo ", um pouco depois aconteceu algo muito importante, eu estava tocando no celular dela e abri as conversas com o namorado no WhatsApp, eu tinha um amigo no do lado e ela começou a gravar um áudio dizendo que a garota que você gostava era muito gostosa e eu comecei a dizer simi Além disso, esse áudio deve ser cancelado, mas em vez de arrastar o dedo para o lado e parar de gravar, minha amiga tirou o dedo da tela e enviou o áudio. Naquela época, a função de excluir mensagens era apenas um sonho, e o namorado dela ouviu o áudio. Outro dia na escola, a garota que eu gostei estava muito chateada comigo e disse que tinha terminado de namorar, ela disse que acreditava que eles ainda estavam namorando, mas o tempo passou e passou e eles não namoraram novamente, e mesmo assim eu ainda não disse que eu gostava dela. O fim do ano estava chegando e, novamente, passei mais tempo na sala de aula dela do que na minha própria sala de aula, e não passei no ano novamente, e na escola que estava estudando na época, se você não passasse o ano duas vezes você será transferido para o turno da noite.

Em 2017, cursando o primeiro ano do ensino médio no terceiro ano e ela no último ano, mas no turno da manhã, participei de um quarto das aulas e depois pedi para me transferir para outra escola onde estudaria pela manhã e o horário para a minha aula ela terminava antes da aula da minha amiga, então quase todos os dias eu a visitava ao sair da escola, mas por alguns meses eu parei de visitá-la e, quando meu aniversário, na terceira semana de setembro, eu a visitei e felizmente consegui vê-la, ainda me lembro do abraço que ela me deu hoje, foi o melhor abraço da minha vida, fiquei tão emocionado com esse abraço que comecei a chorar e, a partir desse momento, as coisas começaram a mudar, ela me convidou para sair em 27 de novembro de 2017 e, naquele dia, tivemos nosso primeiro beijo, e logo depois ela disse: "Acho que se não tivesse feito, você não teria coragem de fazê-lo", e foda-se, ela estava certa, eu passaria o resto da minha vida escondendo esse sentimento.

Em fevereiro de 2018, começamos a namorar e agora eu tinha certeza de que era a pessoa mais feliz do mundo, finalmente estava namorando a pessoa com quem sempre queria estar, e assim o ano continuou, quando no final do ano a irmã que ela descobre que está grávida e, um pouco mais tarde, acaba perdendo o bebê, e então as coisas começaram a ficar complicadas, toda a atenção estava focada nela, um pouco mais tarde, no início de 2019, seu tio faleceu e, em seguida, os pensamentos e seus comportamentos depressivos começou a se intensificar e acabei na mesma situação, paramos de conversar com a mesma frequência e, no início de agosto, alguns dias antes de completarmos um ano e meio de namoro, encerramos o relacionamento e a partir daí tempo aqui eu tenho tentado esquecê-la, eu tive alguns relacionamentos rápidos durante esse período, mas nada que realmente me pegou, em janeiro deste ano eu conheci uma garota muito legal e em fevereiro começamos a namorar, fizemos bem, mas devido para COVID-19 e a quarentena, paramos de ver cada ot ela e eu entramos em uma depressão leve novamente, voltei a ter ataques de ansiedade e pensei que ela não merecia isso e na semana passada terminamos.

Embora todo esse tempo tenha passado e esteja prestes a completar um ano desde que terminamos, eu nunca consegui tirar essa garota da cabeça completamente, e sempre me pergunto se devo chamá-la para falar, sinto muita falta dela, não me sinto mal por perder uma namorada, me sinto mal por perder minha melhor amiga, preciso de conselhos para seguir em frente, o que devo fazer? Ligar para ela para conversar ou tentar seguir em frente com a minha vida? E se sim, como devo fazer isso? Estou quase desistindo de tudo
submitted by fuq_daniel to desabafos [link] [comments]


2020.06.18 00:00 chemi_nx sou babaca por odiar o namorado da minha melhor amiga?

hi Luba, editores, possível convidade e turminha que está a ver.
vamos dar um contexto a história: eu tenho uma amiga (chamaremo-as de Janice) que a dois anos atrás era muito toxica comigo sem perceber. parei de falar e andar com ela um pouco, causando muitas intrigas. no final conseguimos nos resolver e estamos de bem.
PORÉM, tinha outra amiga nossa (a Farls) que aparentemente não a perdoou e fica fazendo umas cagadas com Janice. eu tentava e tentava resolver, me meti em mais de sete intrigas delas, e nada. no final eu desisti a conselho de minha psicóloga e aconselhei Janice a não ligar.
tudo estava indo bem até que ela me conta que está namorando. fiquei surpresa, pois poucas pessoas se interessavam nela, mas também feliz, já que estava com alguém que gostava. é aí que ela me diz a pérola: "ele é tóxico que nem o (um menino que fez mt mal pra ela ao ponto dela chorar pra caramba), mas eu ameacei ele de que se ele fosse comigo eu ia bater nele"
ok, né? eu avisei a ela que isso não iria dar certo, e que não seria uma boa ideia, mas ressaltei que a escolha era dela. ela escolheu ficar com ele.
semanas passaram e ela me falou que eles brigaram, o moleque dizendo "é, a Farls estava certa sobre você" e ela veio falar comigo, brava pra caramba, porque se veio da boca da Farls, ela tinha falado MUITO mal da Janice.
no final eles se perdoaram, aí ok. mas a Farls começou a fazer brincadeirinhas sobre os dois teminarem e o namorado da minha amiga passava muito tempo conversando com ela.
fiquei com ódio dele, mas um ódio que não poderia ser apagado não importa o quê acontecesse. e mesmo se eu for a errada da história, ele não vai apagar.
eu não queria que mais ninguém machucasse ela e a fizesse chorar. Janice já havia sofrido muito, até pelas minhas mãos. eu me sinto péssima toda vez que me lembro, ela também. tentamos não falar disso e apenas continuar nos bons termos. mas eu não quero que ela chore de novo por alguém sendo babaca com ela sem razão nenhuma; nem mesmo eu. se eu pudesse voltar no passado e me dar um tapa, eu daria
enfim, hoje eu comentei no grupo da escola que o namorado dela nn era lá muito bom e machucava ela (ngm deve ter prestado atenção) e aí ela veio no privado falar que era só a Farls, o quê eu contestei. aparentemente ela foi falar pra ele porque o moleque me mandou mensagem.
segue os prints abaixo. eu fiz esquema de cor mas esqueci quem é quem k
eu fui a babaca?
Turma-feira LubaTV https://imgur.com/gallery/yZ9DCkB
View Poll
submitted by chemi_nx to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.06 15:48 0live_0il__ O "Amigo" Tóxico que destruiu minha vida

(Se puder não mostrar meu nome em video, ficaria feliz... (tmb nem sei se vou aparecer xD))
voz de garota de 14 anos
Olá Lubixco, editores e convidadox. Hoje eu vou contar a história de uma amizade que durante 4 meses conseguiu destrui minha vida. Bom, devo dizer primeiramente que eu estou em um relacionamento (inclusive vamos fazer 1 ano já no dia 11 de julho kkkk) e esse dito relacionamento começou tudo porque eu pedi para um amigo meu (vamos chamá-lo de Tony) se me conseguia arrumar alguém (oh o desespero da minha pessoa ;_;). O Tony falou que ia ver o que conseguia fazer e no final acabou me indicando o seu melhor amigo: um garoto estrangeiro da nossa escola. Os nossos gostos eram todos em comum e tals então no último dia de aulas a gente começou a se falar (Já agora, sou de Portugal, então o final da escola é em Junho e só começa novamente em Setembro). Tempos depois o nosso relacionamento começou, e tava tudo indo super bem. Até que em dezembro o Tony veio me dizer que o Luca (vamo chamar meu namorado assim kkkk) tinha me traído com uma das minhas amigas. Eu fiquei chocada e não podia acreditar (btw, essa menina era uma que eu já vinha tendo ciumes faz tempo). Quando o Tony me falou disso ele disse que eu não podia falar com o Luca sobre isso porque se não a amizade deles os dois iria ser arruínada. Eu fiquei muito incomodada com isso, mas ainda assim não falei nada para o Luca porque não queria estragar a amizade deles os dois. Depois de um tempo o Tony havia mudado de ideias falando que eu deveria acabar com o Luca mas que não podia referir a traição... Eu recusei logo, porque percebi que havia algo que não estava certo. Mesmo eu tendo recusado uma vez o Tony não parava de me chatear até que ele chegou no ponto de ME LIGAR NO MEIO DA NOITE chorando e falando que "não suportava ver que eu não estava ligando nenhuma por ter sido traida, e que ele iria 'fazer merda' (AKA s*ícidio) por eu não acabar o meu relacionamento". Mano, eu só fiquei falando para ele se acalmar e que eu preferia continuar nesse relacionamento. Depois de uma longa conversa eu acabei entendendo que ele estava interessado em mim (Estando ele ainda a namorar).
Tempos depois ele acabou o seu relacionamento por motivos que eu não vou mencionar aqui (porque mesmo já não tendo qualquer laço de amizade com ele, eu tinha lhe prometido que não falaria a ninguém o motivo deles terem terminado, e promessa nunca deixa de ser promessa, não é meixmo?). Bom, depois que eles terminaram o Tony ficou cada vez mais grudante e tóxico comigo... Ele criava discussão por tudo e por nada, ficava pedindo chamada toda a hora, e chegou até no ponto que não me deixava sair com o Luca! Tipo, deixar ele deixava, mas quando eu saía ele ficava me mandando msg tipo "Onde você foi?" "porque não me avisou?" Ou então até mesmo quando eu avisava que ia sair, ele ficava super amuado e "sad"... Depois começou a quarentena. Bom, na quarentena eu não suportava ficar longe do Luca por tanto tempo, então às vezes eu saía de casa de madrugada e ficava andando de mãos dadas pela minha aldeia e tals. Mas, adivinhem só? O Tony criava discussão comigo por eu sair com o Luca, sendo que o Tony queria tmb sair comigo... Enfim, eu não tenho as prints (por motivos q vão ser explicados mais à frente), mas eu não conseguia aguentar mais tudo aquilo, então lhe mandei mensagens falando que já não aguentava mais tudo aquilo e que só queria ter um pouco de liberdade. Ele retribuiu falando coisas como: "Então é assim? Não se esqueça que você só está namorando graças a mim! Como você é mal agradecida! Agora quer saber? Eu vou acabar com o seu relacionamento, vc não merece mais ele". Eu fiquei super chocada com o q ele tinha falado e pedi pra ele se acalmar. Então ele disse que queria resolver as coisas pessoalmente, e para isso a gente iria se encontrar na madrugada da noite seguinte. Eu recusei de imediato pois não queria ver a cara dele novamente, mas depois de ele ter implorado e referido o Luca novamente, eu acabei por aceitar. Eu estava sob tanta pressão e ansiedade que acabei ponderando fazer coisas terrivéis comigo...
Bom, a dita madrugada chegou, a gente se encontrou perto de uma floresta que tem naquela aldeia e fomos para um sitio mais afastado (q era a uns 20 minutos do centro da aldeia, dentro da floresta na zona dos piqueniques (sim, havia uma zona com mesas de piquenique no meio de uma floresta)). Lá a gente começou a falar. Ele ficava dizendo que me odiava e que iria estabelecer regras: A primeira regra era que eu não podia falar disso tudo a ninguém, só poderia falar com amigos de outros países que eu tivesse a certeza que não teriam contacto com o Luca. A segunda regra era que eu tinha de fazer tudo o que ele dissesse. E a terceira regra era que se alguém estivesse desconfiando demais, eu deveria falar com o Tony e aí ele ia me dizer o que fazer. Depois disso ele pegou o meu celular e apagou todas as nossas conversas, para não correr o risco de eu mostrar nada pra ninguém. E em seguida foi na minha galeria procurar por um nuds meu, mas como eu não tinha (pq ja tinha apagado minha galeria para ter espaço livre) ele falou para eu tirar a camisola. Eu fiquei tipo "WTF?" e obvio que eu falei que não. Mas depois ele falou que se eu não fizesse isso as consequências seriam muito piores e ele iria acabar com o meu namoro. Então eu fiz tudo o que ele falou, e no final ele tinha uma foto minha (Luba, espero q c tenha entendido ao que me refiro ;-;). Aí ele falou que se eu contasse para alguém, ele iria mostrar aquela foto...
Depois a gente tava voltando para casa e ele falou "[Meu nome], vc sabe q vc não merece alguém que te traia (Se referindo ao Luca), e saiba que eu nunca te trairia...", ai ele veio me dar um abraço falando "eu não te odeio, pode ficar com tudo o que eu te dei" eu apenas fiquei em silencio, e continuei andando depois desse abraço. Quando chegamos no centro da aldeia ele falou q ia me dar 6 meses para eu poder "ser uma amiga melhor" (exato, pq toda a vez q a gente descutia ele falava que a culpa era minha, pq eu é q fazia toda a merda) e ai me deu outro abraço para se despedir de mim. Eu mesmo assim, pra tentar evitar mais treta e evitar chegar tarde a casa, pq já eram quase 5 da manhã, falei que iria tentar ser uma pessoa melhor, então aceitei esse negócio de 6 meses (plo menos seria meio ano sem problemas relacionado com ele, certo?)
Bom, depois disso eu fiquei finalmente livre, mesmo q só temporáriamente... To com medo de chegar setembro (6 meses depois de março), sei que algo mau vai acontecer...
Mas tá, essa foi a minha história, desculpa ser muito longa, tentei até mesmo tirar certas partes "desnecessárias" e ainda ficou assim esse testamento mds kkk Desculpa tmb se teve falhas no pt-br ;-; Bjs de Portugal <3
submitted by 0live_0il__ to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.06 08:11 Sarah__Smiles AITA por não aceitar ser "dama de honra" do casamento do meu pai ?

Olá Luba, turma, editores, gatas, convidado se tiver e qualquer outro ser (vivo ou não) presente neste júri. É uma história com bastante contexto mas vou tentar resumir. Eu tenho e sempre tive uma relação complicada com meu pai. Eu o amo muito e sei que ele me ama também. Nós dois temos dificuldade para demonstrar sentimentos (mais uma das maravilhas que herdei dele), mas até que a quarentena está nos ajudando muito com isso. Eu sou do tipo que esconde as coisas que me magoam, machucam, etc. Ele também. Eu nunca tive a figura de um pai dentro de casa. Meus pais se separaram quando eu tinha 1 ano, depois de minha mãe lutar por mais um ano pra salvar o casamento. Quando ela engravidou, ele começou a traí-la. Ou parou de se preocupar tanto em esconder, nunca saberei ao certo. Isso gerou muita mágoa e, mais tarde, até em mim. Minha mãe manteve um relacionamento saudável com ele, no entanto. Ela é a mulher mais forte que eu conheço e sempre será. Mesmo extremamente magoada, ela me botou em primeiro lugar e me proporcionou uma figura paterna (não que precisasse, ela sempre foi tudo que eu preciso na vida). Ela nunca mentiu pra mim mas NUNCA me botou contra ele. Muito pelo contrário. E ela tinha motivos para fazê-lo, acredite. Enfim, ele se "casou" de novo com a outra mulher e, aos cinco anos, eu ganhei o meu outro pedacinho de mundo: minha irmã. Ela é a melhor coisa que eu já ganhei na vida. Eu a amo demais e minha mãe também. Eu nunca vou conseguir entender o tamanho da força de minha mãe, que viu no "fruto de uma traição" uma outra filha. Vivi com minha própria avó paterna tratando minha irmã diferente, mas minha mãe a amando tanto quanto a mim. Enfim, pulando muitas coisas, no meu aniversário de 15 anos, minha mãe pediu que eu fizesse uma festa. Nós somos muito diferentes, eu e ela. Ela é do tipo que queria uma "filha boneca" e eu a otaku emo da família. Infelizmente, puxei meu pai em muitas coisas, inclusive no jeito. Ela sempre me aceitou como sou mas sempre fiz de tudo pra tentar retribuir ao menos um pouco do que ela sempre me deu. Eu não queria festa, mas aceitei por ela. A festa de 15 anos dela deu errado, choveu e, por ser em fundo de quintal (família humilde, o vestido dela foi costurado a mão) quase tudo foi perdido. Queria que ela realizasse esse sonho. Foi uma festa incrível, à fantasia. Eu pude me realizar e fazer dois cosplays (se é pra usar vestido, que seja de anime né mores), todo mundo reunido, pessoas queridas e amadas, até mesmo as de longe, vieram comemorar. Ela e minha tia passaram quase um ano planejando, comprando, customizando. Praticamente tudo foi feito por nós, durante tempos e tempos de trabalho. E foi perfeito. Meu pai, no entanto, não participou de quase nada. Ele perguntou qual era a parte dele, sobre o que fazer, e contribuiu financeiramente. E só. Quando perguntei sobre dançar comigo (apesar de eu não querer muito), ele não fez questão de tentar amenizar o jeito "ríspido". Assim, eu sou igual a ele. Eu sei como é as pessoas te acharem grossa quando você estava sendo normal. Mas eu, com 15 anos, já tinha empatia o suficiente para me policiar e cuidar do meu jeito para não magoar as pessoas. Ele, com seus 40 e poucos, não. Na festa, ele só pôde ser reconhecido como meu pai na hora da "cerimônia" (algumas homenagens que fizemos). De resto, ele se sentou em uma mesa e ficou, fazendo companhia para os pais da minha ex madrasta (ele se separou dela quando eu tinha 7/8). Eles sempre me trataram com o maior carinho do mundo e acabamos criando um laço. Seja por força maior ou por herança da minha mãe, as pessoas costumam se apegar a mim. Com eles não foi diferente. Minha ex madrasta não foi, apesar de não proibirmos. Acho que foi senso mesmo. Essa atitude dele me magoou. Nossa relação já não era muito boa, sempre fomos pessoas bem fechadas um com o outro. Minha mãe se desdobrou a festa inteira; o ano inteiro. Minha família toda ajudando, e ele sentado numa mesa. Nunca falei nada, porém. Como eu disse, tenho o costume de guardar as coisas. A minha mãe me incentiva a conversar e se mostra totalmente aberta para me escutar e entender. O meu pai... Bem, teremos um exemplo de uma conversa com ele. Algum tempo depois, mais ou menos um ano, ele nos contou (para mim e minha irmã) que estava namorando. Queria nossa reação, opinião. Fiquei realmente feliz com essa atitude e por ele. Ele falou que queria que nós conhecêssemos ela, na próxima semana. Fomos para um shopping, ela também levou a filha. 2 anos mais nova que eu mas... Digamos que eu passei por coisas demais e ela não. Eu sempre tive a cabeça muito mais velha do que o corpo, consequências de vivências que eu preferia não ter. Queria ser tão criança quanto ela, mas andando pelo shopping, podemos dizer que eu era a mãe cuidando de duas crianças, pensando em como impedir que elas quebrassem nada da parte de ferramentas do supermercado. Elas desmontaram uma lanterna, achando que tinham quebrado. Eu também achei. Meu primeiro pensamento foi que meu pai teria que pagar algo que não iria usar. Elas riram e botaram no lugar correndo. Eu consertei. 3 meses depois ele disse que iria se casar. Exatamente assim. Não tivemos muita reação, nem tempo pra reagir. Algum tempo depois, eu tomei coragem e pedi para ele ir me ver. Tentar conversar depois de muitas tentativas. Ele cancelou de última hora (já estava tudo planejado na minha avó para ter um lugar em que pudéssemos ficar sozinhos) e me ligou, insistindo para falar por telefone. Eu só queria que ele tivesse nos perguntado nossa opinião sobre o casamento, tão repentino. Eu nem cheguei a terminar de falar. Tive que ouvir que não era decisão minha (não diga, querido) e que era imatura demais pra entender. Eu, a criança que ia com um "DVD móvel" ligado no máximo no banco de trás do carro dele, encostando-o quase em seus ouvidos, quando ele me levava para casa, bêbado, durante muitos anos. Ele foi alcoólatra até os meus 11. Com 7, eu já entendia que tinha que mantê-lo acordado durante o caminho, orando para que ele não cochilasse na volta, sozinho. Toquei no assunto anos depois apenas, e recebi um pedido genérico de desculpas, algo sobre "querer dizer que eu não tinha vivência suficiente para entender". Bem, provavelmente porque ele nunca esteve exatamente presente. Ou estava bêbado demais para se lembrar, vai saber... A partir daí, tudo piorou. Na cerimônia de casamento, com salão, buffet, decoração, trajes elegantes, alugados, e tudo, eu tive que modificar meu vestido de formatura para ir. Uma semana antes, ele me chamou para conversar, disse que queria muito que eu entrasse com as alianças, com as minhas irmãs. Bem, eu posso estar sendo babaca, mas não considerava a filha dela minha irmã. Eu sou demi, e não só na sexualidade. Preciso de tempo e convivência (talvez um pouco demais) para desenvolver qualquer tipo de relação ou sentimento. 4 ou 5 meses, a essa altura, e 2 ou 3 passeios juntos não foram exatamente suficientes pra mim. Eu pensei muito, não queria magoa-lo. Conversei com minha mãe, meu lugar de conforto, e ela me aconselhou a pensar muito sobre, mas não me forçar a absolutamente nada. No dia seguinte, agradeci a proposta dele e neguei, por não me sentir nem um pouco confortável em fazer isso. Disse "O senhor optou por ser só um convidado na minha festa. Me desculpe, mas eu vou fazer o mesmo." Na hora, a sensação foi boa. Muito boa. Mas depois, principalmente depois de alguns anos, eu me pergunto se foi a coisa certa a se fazer. Eu negaria, de qualquer forma. Nunca me sentiria bem me forçando a fazer isso e sei que foi a melhor decisão. Mas essa frase... Eu imagino que magoou ele, porque me magoou ter falado. Eu nunca tinha tocado no assunto, nunca consegui. Acumular essas mágoas me fez ter sinais de depressão, complexo de inferioridade... Hoje, com 20, eu entendo, mas uma adolescente de 15 anos, com todo o processo físico, mudança de personalidade e tudo mais, não entendia. A criança de 5, 6, 8, 10 anos, que sempre viu o pai amar "mais" a irmã, que tinha ele consigo todos os dias e não apenas uma vez na semana, também não. Eu amo meu pai, sei que durante toda nossa história, ele não foi o único culpado por nossa relação conturbada. Mas não posso deixar de pensar que foi bom ter dito aquilo para ele, mesmo que o magoasse de algum jeito. Eaí, eu fui babaca ?
Edit 1: esqueci de comentar. No primeiro encontro com a minha atual madrasta, ela por várias vezes ficou me olhando feio ou de canto. Eu não falo muito, sabe? Sou bem fechada com pessoas novas, e aquela atitude me deixou SUPER insegura. Foi quando comentei isso que meu pai me interrompeu na ligação. Estava falando sobre e que talvez ela não tivesse gostado de mim (Cinderella ? Talvez) mas não deu pra terminar de explicar meu ponto de vista.
submitted by Sarah__Smiles to TurmaFeira [link] [comments]


2020.04.10 04:33 Wolfanov Uma amizade que perdi que nunca superei

Ter achado esse sub foi muito legal, depois de ler vários relatos, resolvi contar minha história para pedir opiniões do pessoal daqui.
Pois bem, há mais ou menos 3 anos, eu era um estudante universitário que adorava fazer amizades novas, sempre tive um jeito de conseguir fácil que as pessoas gostem e confiem em mim, um lado meu que tenho bastante orgulho (muita gente fala que sou legal e faço amizade fácil, e isso é verdade). Nessa época, eu usava muito página de "Spotted" (páginas onde pessoas postam mensagens anônimas com intuito de conhecer gente, via facebook) e me deparei com a mensagem de uma pessoa querendo amizades novas, prontamente respondi e essa pessoa entrou em contato, era uma garota que tinha não tinha amigos na faculdade, pois bem começamos a conversar e uma amizade sincera surgiu ai.
Os meses foram passando, e o papo com ela era muito legal, ela me falava seus medos, anseios, sonhos, traumas, e eu como um bom ouvinte e amigo escutava e dizia o que eu achava, nos encontrávamos quase toda a semana para sentar e conversar entre aulas na faculdade, cheguei até a ir na cidade dela para ver ela durante as férias, ficamos no shopping e ela disse q nunca teve um amigo para fazer isso, e que ela tinha sorte de ter me conhecido. Só que nesse meio tempo comecei a desenvolver um sentimento a mais por ela, pensava nela todo dia, ela era muito bonita e eu estava solteiro na época, pois bem tentei mostrar algum flerte e em certas horas achei que ela estava correspondendo, ledo engano.
Chegou junho, e com isso veio época de festa junina, dia 28 de junho de 2018 foi a última vez que conversei com ela, combinamos de nos encontrarmos na festa junina e curtir um pouco, beber, conversar e ela queria fumar um baseado comigo, ficamos chapados e realmente na hora eu pensei que estava rolando um clima, um momento tentei ficar com ela e ela se afastou, eu respeitei e ela desconversou e pensei "poxa, já que ela não quis, vou ficar quieto" pedi desculpas e ela ficou tranquila. Na hora de ir embora, nos despedimos e ela me desejou boa volta pra casa, ainda no meio do caminho conversamos via whatsapp e achei que estava tudo bem depois deste deslize.
No dia seguinte, esperei para mandar mensagem e mandei apenas na hora do almoço, ela me respondeu de um modo seco e muito estranho, e quando falei algo ela mudou o assunto e começou a me xingar, dizendo que eu fui um estúpido ao tentar beijar ela, que ela sentiu nojo de mim, e que a partir daquele momento não teria mais conversa comigo, me bloqueou de todas as redes e nunca mais falou comigo depois disso. Fiquei arrasado, me culpei durante meses porque acima de tudo eu gostava da amizade dela, gostava dos papos e joguei tudo por ralo abaixo por causa de uma análise superficial de sentimentos que não existiam em ambas as partes.
Eu a encontrei algumas vezes pelos corredores da faculdade e ela nem olhava mais para mim, era muito ruim isso, viramos dois estranhos novamente, foi doloroso. Ano passado, mandei um email para o contato dela, escrevendo tudo q eu tinha pensado e repensado e nunca ganhei uma resposta, se ela leu ai já é outra história. Fiquei muito mal com essa história porque sempre me vi como um "cara legal demais" e isso me mostrou que todos nós cometemos falhas, e hoje aprendi bastante com essa lição, tenho que aceitar que ela me odeia e sente nojo de mim hoje, as vezes acho que superei mas sempre pego pensando nela, se ela está bem, se está namorando e como ela está nesse período de quarentena, eu só desejo o bem a ela. Eu também acho que fui apaixonado nela, mas eu não sei, o que vocês acham? obrigado pela atenção e desculpa o texto longo
submitted by Wolfanov to desabafos [link] [comments]


2020.01.24 13:39 drdova Ainda gosto da minha ex

Olá pessoal, estou tentando já há algum tempo escrever esse post, finalmente chegou a hora certa... provavelmente vem textão, então pega uma água e senta aí, tentarei deixar o texto bem escrito para que a leitura fique agradável.
Tive uma história muito linda de relacionamento, namoramos por quase 7 anos e infelizmente terminamos em Maio do ano passado, eu quem terminei. Nós não chegamos a ficar brigados, mas nos machucamos muito. Hoje tenho 23 anos, ela tem 21. Deixamos de nos falar em agosto do ano passado. Cada um passou a viver sua vida, ficar com outras pessoas e etc.
Acontece que semana passada, mandei uma mensagem pra ela dizendo que ela tinha sumido, não tinha dado mais notícias e etc, ela visualizou e não respondeu. Bem.. achei que nesse momento ela não falaria mais comigo, até que no outro dia ela me liga. Ela diz que sumiu porque preferia assim, disse que não era bom estarmos nos falando, nem trocando mensagens, mas começou a perguntar de mim, se eu estava bem, por onde eu andava, o que fazia, até que me perguntou se eu ainda gostava dela e eu disse que a amava, ela respira fundo, eu de fato compreendi que ela gostou da notícia, que gostou de saber que eu ainda sinto algo por ela, perguntei se ela gostava de mim ainda, ela fez um monte de arrudeios e não respondeu minha pergunta, disse que precisava desligar o telefone e que não era pra eu falar mais com ela. Falei que tudo bem, mas que eu queria ver-la como amigo, que queria sentar um tempo, rir, conta histórias da minha vida e etc. Ela desligou.
Na sexta feira da semana passada, aparece uma notificação no meu snapchat que ela estava digitando algo para mandar pra mim, sendo que não recebi nenhuma mensagem. Na terça e na quarta feira dessa semana aconteceu a mesma coisa, ambos os dias aparece uma notificação de que ela estava escrevendo algo, mas nenhuma mensagem chegou. Então, ontem (quinta-feira) ela posta uma foto no snap (claramente para eu ver, porque ninguém usa mais snapchat e ela NUNCA posta algo lá, faz anos que ela n posta foto nesse AP) , eu respondi dizendo que ela estava muito linda, falei mais umas coisinhas nesse sentido e disse que precisava falar com ela novamente, então ela me ligou.
Nessa segunda ligação perguntei de cara se ela estava namorando, ela respondeu que não importa se está ou não, que não ia me responder nada nesse sentido. Conversamos 1h e 10 minutos no telefone. Falei o quanto amadureci durante esse tempo separados, que cresci como pessoa, como profissional, mas que há um lado em mim que gosta muito dela, falei que desde que nos separamos não tem um único dia que deixei de pensar nela, que nada do que fiz (indo à festa, outros relacionamentos) me preenchia, que eu de alguma forma estava bem ligado a ela ainda, mesmo há 8 meses separados. Ela me responde dizendo que entende, que infelizmente nos separamos, que as coisas não deveriam ter sido da forma que foi, que tínhamos tudo para dar certo, mas infelizmente as coisas aconteceram. Ela é bem religiosa, disse que Deus estava no comando de tudo, que orou diversas vezes entregando a vida dela a Deus e que a vontade dele sempre vai se realizar. Ela viu minhas fotos no instagram com uma amiga de outra cidade, perguntou se namorávamos, insistiu dizendo que a guria era minha namorada, mesmo eu dizendo que não, ficou fazendo uma certa birra. Ela perguntou muito sobre mim ainda, acredito que de fato ela sente algo por mim, foram 7 anos.
Vamos ao finalmente... Eu não posso namorar com ela agora por uma série de motivos que envolve o lado financeiro, pessoal, profissional e religioso. Creio que pra ela seria o mesmo desgaste. Ela entende isso, tenho certeza.
Eu falei para ela que em Outubro, que é quando eu vou ter sanado todos esses problemas, irei procurar-la, irei querer namorar com ela e que dessa vez não vou passar mais que 1 ano namorando, iria querer casar, até mesmo porque vou ter dinheiro para bancar tudo, se assim Deus permitir.
Ela não acreditou muito no que eu disse (eu acho), falou que daqui pra lá vou ter oficializado meu namoro com a guria da outra cidade, falou que vou ter outra pessoa na minha vida, que o sentimento por ela não seria mais o mesmo.
Avisei que ela receberia sim essa ligação, se atendesse que saiba que vai ser nesse sentido.
Perguntei novamente a ela se ela ainda gostava de mim, ela disse que precisava desligar, na mesma hora perguntei de novo... ela respondeu que precisava muito desligar. Ela me desejou boa noite, que eu me cuidasse e pediu para não nos falar mais.
Depois desse longo texto, o que fazer? Tocar minha vida daqui para outubro e ver no que dá? Vocês acham que com base no que relatei ela ainda deve gostar de mim? Você passaria 1h 10 min numa ligação com seu/sua ex, sabendo que ele gosta de você sem você gostar dele?
Alguém leu até aqui? Se sim obrigado.
DrDova
submitted by drdova to desabafos [link] [comments]


2019.11.05 07:11 Dentito Último ano

Falta pouco mais de um mês para eu voltar pra São Paulo (capital)
Larguei minha querida cidade pra cursar Economia em Do do Iguaçu. Era uma das minha metas entrar na faculdade, e não importava taaantooo assim o curso.
Acabei não curtindo tanto a área, mas ao mesmo tempo criei um enorme respeito com ela e as coisas que estão relacionadas (política, sociologia, história, filosofia e outras matérias das ciências sociais/aplicáveis).
Percebi de forma concreta o quão privilegiado eu sou, ao mesmo tempo em que vi que isso não significa que minha voz é menor. Só que ela tem maior relevância em determinado contexto.
Aprendi a importância do ceticismo, e tenho meu débito com isso muito por causa da ciência. Ela vai mostrar mutas vezes que suas convicções podem estar erradas, como uma parede sólida.
Conheci muitas pessoas importantes, legais e inteligentes. As pessoas legais não necessariamente são as mais morais. As pessoas importantes não necessariamente são as mais legais. E as pessoas mais inteligentes não necessariamente estão certas, são legais ou morais.
Também conheci minha primeira namorada. Amo muito ela e aprendi muito mais a ser uma pessoa mais tolerante e aproveitar os momentos mesmo que você esteja com toda a razão de querer por "em dia" as contas.
Vi que Foz do Iguaçu não é uma boa cidade. Não se você está acostumado a morar numa metrópole com 12 milhões de pessoas. Mas pelo menos o litrão custa 6,75.
Beleza visual é só um detalhe quando os dois estão bem alterados e com vontade de trocar fluídos. E são os momentos mais gostosos. Mas até esse momento, ou tenha beleza ou tenha lábia/papo.
Valorizo MUITO mais meu próprio espaço e tempo.
Dinheiro realmente não é tudo, mas é uma boa parte.
Os pubs de São Paulo São overpriced e nem são tão bons.
Não seja pamonha. NOVAMENTE. NÃO SEJA PAMONHA. Oportunidades são poucas, e se você não for privilegiado, são menores ainda, então abraça essa porra de oportunidade que tá mexendo contigo.
No final das contas a experiência é o que vale. É chegar no seu conforto e estar tranquilo sobre o que viveu. E é por isso que ainda não tô satisfeito e quero mais, não estou confortável. Mas as experiências em Foz já foram o suficiente pra mim.
Estou mais perto dos 30 anos do que dos 10. Estou mais perto de ter um filho do que ganhar um videogame novo.
Talvez eu mude de área. Talvez eu não esteja mais namorando (Deus, que eu esteja errado, prometo crer em você). Talvez eu nem esteja mais nesse país. Ou até nesse plano.
Acho que todos merecem viver o que eu vivi, pra melhor.
É isso, só quis escrever algo enquanto não consi dormir.
Boa noite
submitted by Dentito to desabafos [link] [comments]


2019.03.14 19:50 Multi-Skin Me ajudem, eu só quero que alguém leia sobre minha vida, eu to cansado de não ter voz. (Eu digito toda semana aqui, mas sempre apago antes de postar)

Eu (22~33 M) sempre fui uma criança quieta, as outras debochavam de mim por eu ser alto demais e desengonçado (puberdade precoce). Por não ter dinheiro as outras crianças não queriam brincar com o garoto sem brinquedos legais.
Me apelidavam de bunda-mole por conta do meu corpo, foram centenas de dias que as crianças da vizinhança passavam na frente de casa e gritavam isso.
Meu pai nunca ligou, pra ele era tudo besteira, principalmente os jogos, quadrinhos e desenhos que eu via enquanto passei minha infância e adolescência sendo um pai pra minha irmã. Ela cresceu pra ser bem problemática, mas sei que fiz meu melhor como uma criança cuidando de uma criança. Cozinhei, penteei o cabelo dela, ajudei com os deveres, brinquei, limpei a casa, dei minha infância pra ela poder ter uma .
Eu acabei introvertido não por opção, isso me afeta até hoje, eu quero atenção, mas não quero atrapalhar ou sentir que alguém está incomodado.

-----Primeiro trauma-------
Aos 8 anos de idade meu pai me obrigou a fazer parte dos escoteiros, queria que eu fosse como as outras crianças, que brincasse mais com os outros, ele me olhava e falava de um jeito que me dava certeza que ele iria me bater se eu não fosse pra lá.
Foi lá, em um acampamento que acontecia longe da cidade uma vez por ano, que um rapaz mais velho (acho que 11 anos) ficou rindo e apontando pra mim enquanto eu tomava banho no final da tarde(o chefe dos escoteiros me obrigou assim como outros garotos).Eu demorei pra sair pois não queria que ninguém me visse, quando eu achei que estava sozinho ele jogou minhas roupas no lixo de fora e me trancou nesse banheiro. Ninguém veio me procurar até a hora da madrugada, foi quando um velho abriu a porta e abusou de mim. Quando amanheceu eu peguei minhas roupas do lixo e fui pra onde o grupo estava, ninguém sentiu minha falta.
Eu demorei quase 20 anos pra contar isso pra alguém, pois eu achava que meu pai ia me bater.
Meu pai ficou muito bravo e debochava de mim toda vez que me via vendo desenho, jogando games ou fazendo algo que não envolvia outras crianças, ele mesmo me chamava de bunda mole.
-----Meu pai sendo babaca pra variar----Uns meses depois eu estava com 9 anos e ele me colocou em aulas de natação, eu amava demais, meus antepassados todos tinham algum histórico com natação, eram medalhas de campeonatos ou eram marinheiros e isso me dava muito orgulho. Semanas depois eu estava a sair da piscina quando o mesmo rapaz dos escoteiros chegou até a beirada e ficou rindo de mim. Eu nunca mais voltei lá e nunca expliquei o por que. Meu pai teve um ataque cardíaco de tanto me xingar gritando.
Desse ponto em diante ele acostumou a me chamar de cavalo e chamar de merda tudo que eu fazia e ele não gostava.
Quando tinha 10 anos por problemas respiratórios (já fiz 3 cirurgias e meu sistema respiratório ainda consegue puxar apenas metade do ar que uma pessoa puxaria na respiração) e o doutor perguntou se eu praticava esportes, eu falei que gostava muito de andar de bicicleta, meu pai me cortou e debochando falou "esse daí? só se for pra exercitar os dedos no 'joguinho'". Essa fala dele tinha sido a mais carinhosa em meses, isso soou ainda mais doloroso pra mim.Anos se passaram e ele sempre falava isso pra todo mundo. Perguntavam como eu estava e ele respondia "só nos joguinhos", ignorando se a pessoa tinha perguntado das minhas notas, da saúde, da felicidade. Eu joguei ainda mais, não queria ficar nem perto da sala onde ele ficava vendo TV depois do trabalho.
-----Pai babaca, a saga continua---------
Passei um ano internado em um hospital que ficava em outra cidade pra tentarem identificar a razão e perigos do meu crescimento, eu tinha 11 anos, mas com corpo de adulto. Me lembro de chorar muito quando não recebi visitas no dia das crianças e vi apenas minha mãe no meu aniversário. Meus pais trabalhavam demais pra nos sustentar, eu sempre apreciei isso.

Com 11~13 anos comecei a me soltar de novo, minha irmã me convidou num dia qualquer pra sair um pouco da frente do PC pra andarmos de bicicleta. Eu deixei um jogo baixando, era Pokemon Sapphire pra gameboy advanced, e fomos pedalar.Foi bem divertido, mas depois de algumas voltas a chave de casa estava caindo do meu bolso, no que eu fui segurar a minha bermuda engatou na bicicleta e eu rolei morro abaixo, batendo com a nuca no meio fio. Minha irmã foi chamar meus pais, eu estava sentado, sem falar nada, com uma camisa totalmente vermelha, já que o sangue tinha coberto cada pedaço da camisa branca que eu usava.
Até hoje eu não tenho memória disso, mas me falaram que eu entrei no carro do meu pai e fomos até o hospital, falei normalmente e tudo mais.Minha memória tinha ficado muito bagunçada por conta do corte e da pancada que por poucos centímetros não tinha pego o cerebelo.Felizmente não sentia dor, mas não me lembrava dos rostos de ninguém, era algo que demorou um mês pra normalizar, fiquei internado por uma semana, meu pai não acreditava nisso e só falou"Se você tá com problema de memória, qual o jogo que você deixou baixando?"Eu respondi corretamente e ele assinou os papéis pra sairmos de lá.

-----Minha liberdade e minha mãe---------

Eu me fechei ainda mais e passei o tempo estudando e jogando, recebi vários prêmios de aluno exemplar durante todo o período escolar.
Em paralelo minha mãe que era meu exemplo de vida, uma pessoa certa, calma, gentil, um ser humano divino.
Com 16 anos saí de casa pra estudar em uma federal, eu sentia nojo de receber ajuda dele, mas pelo menos tinha minha liberdade. Minha mãe era muito preocupada e me ajudou muito a encontrar um lugar perfeito, um lugar meu.Eu senti o gosto da vida pela primeira vez, consegui uma namorada e perdi o foco na faculdade, minhas notas foram péssimas.
Meu pai me ligava frequentemente pra cobrar o acesso ao sistema de notas, me xingava pelas notas baixas.Ela percebeu e começou a falar que eu precisava estudar pra ir junto com ela fazer intercâmbio. Eu me esforcei ao máximo, estava melhorando aos poucos.
-------Segundo trauma e depressão--------
Resolvi trazer ela pra conhecer meus pais. Meu pai a odiou por ela ser um pouco acima do peso. Grampeou todo o computador dela e pegou fotos de outro cara que ela me traia quando ia visitar a família dela, nada NSFW, só ele sem camisa. Ele não a afrontou, mas me mostrou tudo. Eu não acreditei, falava que era só amigo. Ele chegou ao ponto de mostrar a gravação de áudio que tinha feito escondido com um gravador de nós dois transando, falando que ela só falava que me amava mais que tudo quando estávamos transando.
Essa coisa toda me deixou enojado e voltei imediatamente pra faculdade. Lá contei tudo pra ela, que ameaçou processar meu pai por invasão de privacidade. Depois de muita conversa continuamos juntos.
Eu peguei um voo que custava o valor que eu tinha pra comida do mês, só pra poder fazer uma surpresa de aniversário pra ela. Fui bem recebido, passei uns dias na casa do irmão dela.
Depois de um tempo ela se abriu pra mim e falou que não só me traiu, mas como também desde pequena transava com o próprio irmão e o cachorro dele. Eu duvidei, mas ela me mostrou mensagens e fotos, vomitei na hora, sujei todo o chão, só me lembro dela atravessando a rua uns minutos depois e falando que estava com medo, eu estava em fúria não só por ela, mas por tudo que já passei.
Eu não sei o que deu em mim, algo quebrou dentro da minha cabeça, sentia vontade de me lavar, me sentia sujo, não aguentava mais se fuder a esse nível, ao mesmo tempo não sentia nada.
Desenvolvi depressão profunda, a linhagem da minha mãe tem tendências a depressão extrema, mas era tão profunda que passou do ponto de querer se matar, eu só vivia, não sentia mais nada. Pra piorar comecei a ter ataques de pânico constantes.

---------------Felicidade a caminho---------

Anos passaram, e através de um post sobre coisas geek no facebook encontrei a garota perfeita, ela morava na cidade vizinha, ficamos noivos mesmo depois que eu me mudei de volta pra minha cidade natal pra tentar fazer outro curso. Ela não veio junto e não me traía, era pura demais, acredito até que tinha síndrome de Peter pan, o mundo era muito fantasioso pra ela. Ela vivia como uma adolescente na casa dos pais, nunca saía de noite, não gostava de festa ou bebida. Eu chegava a incentivar ela a tentar sair com outra pessoa, pois não achava justo que ela ficasse ligada a mim com toda essa distância. Ela sempre disse não a isso, sempre falávamos por video depois do trabalho e antes de dormir (ela trabalhava até tarde em um shopping longe da cidade).
--------Terceiro trauma---------
Ela me deu muito apoio mesmo quando minha mãe me contou o motivo de estar cada dia mais estranha, ela se dopava de remédios por ter depressão e ter traído meu pai com um cara que passou aids.Meu chão caiu, a única pessoa que eu ainda confiava cegamente não só como amiga, mas como exemplo a seguir, traiu a confiança do meu pai. Ele que era um animal deu todo apoio e sempre se manteve no lado dela. A situação de virtudes, valores e ações tinha se invertido, meu pai era quem tinha feito o certo. Isso nunca me desceu a garganta, mas foi a última gota pra eu entender que todo mundo é humano, comete erros, sem exceção.Foi nessa época que eu tive que aprender que não podia deixar minha mãe sozinha, foram várias tentativas de suicídio.

-----------Ato final, nada muda---------
Eu mesmo cometi um erro e me envolvi com outra pessoa sem contar pra minha noiva, ela sabia que eu precisava de muita atenção e ela propôs um relacionamento a três, deu muito certo e durou uns 2 anos.
Nos separamos no aniversário de namoro apesar de ter certeza que ela era a pessoa da minha vida, eu cometi o erro de cobrar demais dela, exigir visitas mais e mais constantes, estava me tornando chato e forçando ela a se mudar, abandonar a família que vivia em outro estado.

Não senti que era certo continuar com a terceira pessoa, pois as coisas só lembrariam de como era antes, eu me enterrei no trabalho e quando chegava em casa me dopava pra dormir.
Como minha irmã era grossa e não tinha muito papo comigo, minha mãe estava sempre dopada de remédios, cheguei pro meu pai e desabafei
"Pai, já vi minha mãe tentar se matar 5 vezes, na última eu ainda estava com a minha ex, mas estava depressivo, eu não sentia nada, eu vi minha mãe sangrando pelos pulsos, chamei uma ambulância e fui comer um sanduíche.Agora não estou com a pessoa que mais me apoiou na vida eu não consigo nem mesmo passar um segundo fazendo o que eu gosto.
Não consigo ler, não consigo ver filmes, não consigo nem jogar. Eu adoro meus jogos.
Eu só estou muito cansado da vida, não tenho propósito, eu só queria ter paz e ser amado por quem eu sou. Eu sei que tem coisas que são reflexo do que eu faço, mas tem coisas horríveis que acontecem comigo desde pequeno e eu não posso fazer nada pra evitar isso."A resposta dele foi "que bom, te falei que essa coisa de joguinho era só passageira".
Liguei o carro e saí.

...
Agora estou namorando alguém que a carreira gira em torno do social, odeia qualquer coisa geek.
Pra ela tudo que eu falo é drama, tudo que eu sinto é bobeira, tudo que eu preciso é fútil.É tóxico, mas eu preciso disso pra ficar com o pé no chão e não me deixar ser arrastado pela depressão, eu prefiro fazer de conta que tudo isso não é nada do que ficar me remoendo todo dia.
Ainda sim eu fico muito triste de perder o sabor das coisas que me faziam feliz.

Só minha mãe, em um momento de lucidez, ficou sabendo dessa história, toda semana eu digito de novo aqui e sempre apago tudo antes de postar.
EDIT:Obrigado pelos comentários dando forças, eu realmente precisava disso.Atualmente estou com a depressão bem controlada, mas precisava demais matar esse silêncio.Outro dado é que meu pai tem idade pra ser meu avô, por isso não sinto raiva, só fico indignado com pensamentos tão brutais.
Minha família é minúscula, não tenho tios ou avós vivos, isso gera mais ansiedade e stress quanto ao futuro, pois não tenho como dar suporte financeiro ou presencial suficiente pra minha mãe, pai, ou irmã caso aconteça algo com eles.
Eu ainda tenho dificuldade em ver que todos são humanos e que não posso ficar com medo das coisas ruins acontecerem.O pensamento de fracasso ou vergonha me aterroriza por conta de ter sido moldado na base de confiar em algo, acabar sofrendo e ainda por cima ser humilhado por estar sofrendo.
Por anos eu me cortava na parte interna das coxas pra ninguém ver, eu não queria chamar atenção, eu não queria morrer, eu queria me punir por não conseguir fazer as coisas melhorarem.
Até pouco tempo eu me socava e batia até quase desmaiar, não pelo mesmo motivo, mas por não conseguir ter voz e permitir que os outros fizessem o que quiserem comigo.
Atualmente ainda jogo alguns jogos, músicas, leio livros , mas aquele pensamento de "você tá jogando essa merda, seu cavalo" fica sempre preso.
Também estou sofrendo pra terminar a faculdade, mas aos poucos vou melhorando esse aspecto da vida também.
Infelizmente não tenho como pagar por tantas consultas de um/uma psicó[email protected] quanto eu preciso, ano passado uma profissional me ajudou muito a lidar com tudo isso, não dói tanto quanto antes, mas é difícil deixar tudo no passado.


EDIT2:Vi que alguns estavam achando falso demais a parte do irmão e tal, vou colar a minha resposta aqui
Eu queria que fosse, isso estragou minha libido por um ano inteiro.
Eu demorei pra ligar os pontos, mas pelo que deu pra sacar a mãe dela era prostituta e ela teve influências fortes.
A sexualidade aflorou de forma errada.Ela contou que o lance do cachorro não era constante, mas o irmão era desde quando eles tinham 10 anos, coisa doentia de cidade de interior. O pai expulsou ela de casa por um tempo quando ela era adolescente depois de flagrar os dois.
EDIT: Agora lembrei que tenho certeza que foi o fato dela falar um pouco da mãe dela pro meu pai que desencadeou o pensamento de "essa deve ter puxado a mãe" no meu pai e causado toda essa investigação dele.
Meu pai trabalhava na área de informática assim como eu trabalho hoje em dia (eu fui fazer federal pra tentar fugir desse ramo só pra não ter nada a ver com meu pai, mas dá pra ver que não deu certo), ele manjava bastante de computador.
Quando eu tinha uns 14 anos, moleque, pesquisei uns vídeos de BDSM no xvideos, no dia seguinte ele me puxou pra conversar sobre as mulheres não serem objetos e muitas vezes não concordarem com os desejos sexuais.

Eu deixei de boa, deu uma semana e eu vi outro vídeo desse, ele de novo me chamou pra ter uma conversa desse tipo.Não cometi o erro de novo, virei o PC até achar o keylog que ele tinha colocado, criei outro usuário (eu não ia ser burro de tirar o keylog pra depois ter que me explicar pra ele).

E não é que o cara tinha aqueles bypass de senha que você dá boot...

Não é a toa que eu aprendi pra caramba com ele, nessa parte de computador meu velho era fera e eu devo muito a ele.
submitted by Multi-Skin to brasil [link] [comments]


2018.02.16 01:56 antoniobrasileiro Sem direção...Fui traído.

Senta que la vai textão: Faz 10 anos que estou casado com minha esposa. Temos um filho de 10, namoramos pouco tempo, ela ainda era virgem, e eu já tinha vivido outros relacionamentos, (temos uma diferença de 7 anos). Quando descobrimos que ela estava gestante resolvi que casaríamos, confesso que logo no início eu apenas gostava dela, mas sabia que ela era uma pessoa boa de coração, eu já estava cansado de badalação, queria encontrar alguém pra compartilhar uma vida. Então conversamos, disse que estava disposto a casar com ela, e ela aceitou. No início foi muito difícil a convivência, pois sou um cara que gosta das coisas certas, às vezes até demais. Ela cresceu vendo sua mãe ser auto suficiente, de maneira que quando pedia pra fazer algo diferente, de outra maneira, ela achava que eu queria mandar nela, botar ordem. Nunca foi minha intenção, eu apenas queria orientá-la para que as coisas não dessem errado. A família dela é bem humilde, isso nunca foi problema pra mim, porém ela acha que minha mãe não queria que casasse com ela, acha que minha mãe sempre fala algo pra tentar machucá-la, e sinceramente tenho certeza que não é isso. Mas enfim, a questão é que vira e mexe acabamos tendo brigas por conta disso, e o mais engraçado é que a briga é por causa da minha família, que ela começa por conta desses achismos, às vezes porque acha que a madrinha do nosso filho (minha irmã) está mimando demais ele, dando muito presente fazendo as vontades. Graças a Deus as brigas que eram por nós mesmos diminuíram bastante. Eu nunca a proibi de nada, mesmo! Eu sempre a deixei fazer e comprar oque ela queria . Temos uma vida confortável, meu trabalho apesar de ser necessário que esteja constantemente viajando remunera bem, com isso ela nunca precisou trabalhar. Mas ela não é dondoca, de só ficar em casa sem fazer nada, ela me ajuda muito cuidando da casa, e agora tomando conta do negócio que montamos (guardando dinheiro) quando estou fora. Depois que nosso filho fez dois anos ela quis fazer faculdade de educação física, eu dei o maior apoio pra ela. Lá no fundo eu sabia que a desgraça viria deste curso, eu nunca disse isso a ela. Enquanto ela estava fazendo o curso eu nunca desconfiei de nada, com exceção de uma vez que ela disse que ia pra faculdade, aconteceu um imprevisto e tive que ir lá pegar ela. O campus da faculdade é bem grande, eu sabia quais eram as salas que ela tinha aula, mesmo assim eu não a encontrei. Liguei várias vezes o telefone só chamou, quando eu já estava voltando pra casa, ela me ligou, disse que estava na parada de ônibus próximo. Perguntei onde ela estava, ela disse que estava no laboratório, e eu realmente não tinha ido lá, já que não sabia onde ficava. Em 2015 sofri muita pressão no meu trabalho, pois minha empresa estava prestes a perder um importante contrato, e além disso tinha conseguido uma vaga muito difícil em curso que me possibilitaria ascender em minha carreira. Como a instabilidade na minha empresa estava crescendo, isso significava que teria que arcar com todas as despesas sem trabalhar durante 6 meses. Pra completar o cenário, a crise veio com força, e começou a surgir histórias de que o curso seria cancelado. Fiquei uma pilha de nervos, pois ficaria desempregado, não faria o curso e sem perspectiva nenhuma de emprego, pois na função que estava não apareciam vagas. Confesso que nem eu estava me suportando às vezes, eu transferi um pouco dessa pressão pra ela. No final de 2015 fui demitido, e no início de 2016 saiu a resposta que eu mais esperava, o curso seria realizado! Fiquei um pouco aliviado, mas a crise se aprofundou na minha área, e as vagas que apareciam para posições superiores também minguaram. O curso seria realizado em uma cidade onde conheci minha primeira namorada, porém, ela já não vivia mais lá, morava em uma cidade no mesmo estado porém a várias horas de distância. Além disso já não gostava dela há muito tempo, eu estava casado e minha ex namorando. Nessa cidade ainda moram muitos amigos meus de faculdade, que não os via fazia tanto tempo. Foi natural que eles me convidassem pra ir assar uma carne e tomar cerveja, sair pra um barzinho, e ir uma vez em um show. De uma vez que sai com meus amigos, passei bastante tempo com eles, meu telefone descarregou. No outro dia ela me ligou dizendo que eu tinha ido me encontrar com a ex. Durante o curso todo ela achou que eu estava fazendo coisa errada...Sinceramente depois do que descobri, queria ter feito. A verdade é que depois que casei com ela, nunca estive com outra mulher, nem mesmo beijei outra mulher. Acho que ela não acredita nisso… Durante o tempo que estava realizando o curso apareceu a oportunidade de montarmos o negócio que estamos tocando. Não tinha como eu tocar a obra de outra cidade, então ela ficou encarregada disso, com meu auxílio pelo telefone. Tivemos muitas brigas por causa das obras, porque muitas vezes ela queria fazer do jeito que ela achava, e muitas vezes errado, sendo que eu explicava tudo pra ela como deveria ser feito pra não ter desperdícios, pra não estourar nosso orçamento e nem atrasar as obras. No final das contas inauguramos nosso empreendimento, e está indo muito bem obrigado. Sempre foi meu sonho poder um dia largar meu trabalho e poder trabalhar perto dela e do meu filho, ter uma vida estável sem precisar me ausentar. A empresa inaugurou em outubro de 2016, atrasou um pouco, mas sem maiores consequências. Nesse meio tempo o curso já havia terminado, e eu estava empregado novamente na posição que o curso me proporcionou. Gente, vocês não têm noção de como eu fiquei mais leve, relaxado, aquele peso todo que sentia estava finalmente saindo das minhas costas. Algumas brigas ainda existem por conta do negócio, mas normal, nada sério, nessa parte sabemos que os assuntos do negócio têm que permanecer lá depois que fechamos as portas no final do dia. O ano de 2017 veio de uma forma muito boa, pelo menos pra mim. Teve uma vez que nos desentendemos feio. Foi ela que começou a puxar assunto sobre minha irmã, aquela mesma história que já falei, ela achar que a madrinha denga muito o sobrinho. Nesse dia senti que ela estava arrumando um pretexto pra arrumar confusão comigo, passou uma duas horas falando, e queria que eu ligasse pra minha irmã pra reclamar sobre o assunto. Não fiz, até porque era ela que estava incomodada com a situação, e além disso o filho não é só meu. Às vezes temos algumas brigas sérias por conta do nosso filho, porque ela muitas vezes espera que eu o corrija...Costumo dizer que ela só quer os momentos bons com ele...Acredito ser verdade, pois muitas vezes quando ele está fazendo mal criação, ela grita de lá: “olha marido oque teu filho tá fazendo”. Caramba, isso me dá nos nervos, quando o filhote faz isso comigo não espero por ela. Eu o corrijo na mesma hora. E ela muitas vezes não faz, ou me chama pra dar bronca. Agora nem vou mais, só faço falar: “Te vira! É teu filho também”. Antes de tudo quero que ele cresça um homem íntegro, respeitador e honesto. Aí veio agosto de 2017, meu mundo veio a baixo. A felicidade que sentia, quando estava em casa com eles, minha esposa e filho, ao vê-los correndo pela casa, quando eu estava brincando com eles na cama de fazer cócegas era muito grande. Eu dizia só pra mim: “Obrigado meu Deus por me dar tanta felicidade”. Se no início eu apenas gostava dela, naquele momento eu a amava demais. Tudo isso acabou! Descobri que ela estava me traindo com um ex professor da faculdade. E pra completar ele mora na rua de trás de casa. No início ela tentou negar tudo, dizendo que era invenção da minha cabeça. Mas eu tinha provas, e contra provas não há argumentos. Ela tentou esconder quem era a pessoa no início, tentou dizer que saiu só aquela vez que descobri...Mas aos poucos, por conta própria, descobri que ela já vinha saindo com o cara desde 2015, lembra da pressão que estava sofrendo? Pois é, e essa história toda de estarmos sofrendo pressão, foi oque ela diz ter causado a traição. Quando estive fazendo o curso, ela saiu várias vezes com ele, e depois me alegou que era porque achava que estava saindo com minha ex. Em maio de 2017 foi a última vez que ela diz ter saído com ele. Aqui eu preciso fazer um parêntese: Mais ou menos em 2013, não lembro bem a data, sério, a ex entrou em contato comigo, ai acabou que fizemos várias chamadas pelo skype, e ficamos nus um para outro. Rolou masturbação, confesso. Mas parou aí. Nunca mais encontrei com ela, e depois disso também não falei mais com ela. Logo depois que aconteceu as chamadas de skype, me arrependi muito, não é uma coisa que sinto orgulho. Mas também até eu descobrir a traição da minha esposa, eu ainda não tinha contado pra ela oque havia ocorrido. Ou seja, teoricamente, ela não teria motivos reais pra me trair, porque ela nem desconfiava. Brigamos muito, xingamos um ao outro. Eu chorei muito, ela também. Ela diz que sempre me amou, nunca deixou de gostar de mim. Que acha que foram coisas que deveria ter feito enquanto era solteira. Estamos juntos, ainda gosto muito dela...Tenho medo de perder minha família… Mas fico muito receoso de quebrar a cara novamente. Às vezes sinto que fui duplamente sacaneado por ela, porque se eu quiser me separar dela, terei que abrir mão também do meu sonho, de trabalhar perto de casa. Não existe um dia que não pense no que ela fez, no que ela pode ter feito com o cara. Me sinto muito humilhado. Estamos junto, mas por enquanto não consigo me ver novamente com ela como antes, os dois velhinhos… Ela toda curvadinha e eu segurando ela pelo braço...Cara é foda! Que vontade de chorar! Sinto meu orgulho ferido...Eu posso não ser o melhor homem do mundo, mas também sei que não merecia isso, sei que a opção de fazer foi totalmente dela, independente das pressões, brigas e dificuldades que tenhamos passado. Eu fiz uma viagem com ela agora para um destino romântico, foi legal...Mas...Depois disso tudo sempre tem o “mas”. Essa semana briguei feio com ela novamente, não estou em casa, estou trabalhando…Sinceramente não sei oque fazer. Já tentamos psicóloga, mas acho que não adiantou muito não. A verdade é que às vezes queria machucá-la, fazê-la sentir oque eu sinto às vezes. Essa semana instalei tinder e esses outros app, queria me sentir valorizado. Às vezes me vejo fazendo e dizendo coisas pra ela só pra ver se ainda gosta de mim. Me sinto ridículo quando percebo. Teve ocasiões em que até pensei em inventar pra ela que estive com a ex. Agora estou pensando em fazer uma viagem sozinho, pra um lugar bem distante quando sair do trabalho. Penso que preciso de um tempo só comigo mesmo. Queria opiniões e maneiras de pensar de pessoas que não façam parte do meu convívio. Por isso postei aqui.
submitted by antoniobrasileiro to desabafos [link] [comments]


Como Saber se Ela é a Pessoa Certa SEJA A PESSOA CERTA PARA A VAGA Turma do Pagode - A Pessoa Certa (Ao Vivo) - YouTube A PESSOA CERTA - YouTube Encontrei a pessoa certa ?  Rafael Bento Como saber se encontrou a pessoa certa Como saber se é a pessoa certa para mim? - YouTube 'VOCÊ VAI SENTIR QUANDO FOR A PESSOA CERTA' - YouTube

Você está namorando a pessoa certa? 6 chaves para ...

  1. Como Saber se Ela é a Pessoa Certa
  2. SEJA A PESSOA CERTA PARA A VAGA
  3. Turma do Pagode - A Pessoa Certa (Ao Vivo) - YouTube
  4. A PESSOA CERTA - YouTube
  5. Encontrei a pessoa certa ? Rafael Bento
  6. Como saber se encontrou a pessoa certa
  7. Como saber se é a pessoa certa para mim? - YouTube
  8. 'VOCÊ VAI SENTIR QUANDO FOR A PESSOA CERTA' - YouTube

INSTAGRAM: @FABIOLAMELOOFICIAL FANPAGE: https://www.facebook.com/FabiolaMelo.oficial Vídeo Oficial de 'A Pessoa Certa' de Turma do Pagode. O vídeo faz parte do DVD 'Misturadin 2'. Ouça a faixa nas plataformas digitais: https://smb.lnk.to/TDPM... Olá, pessoal! No vídeo de hoje conto para vocês 7 coisas para saber se encontrou a pessoa certa! Espero muito que gostem! VEM CONVERSAR COMIGO: • blog: http:... Como Saber se você esta namorando a pessoa Certa, essas e outras duvidas referente a esse assunto você ira descobrir nesse vídeo. Não perca tempo vale a penas assistir . No vídeo de hoje, vamos falar sobre aquela frase 'Fica tranquilo. Você vai sentir quando for a pessoa certa'. A questão é: você vai realmente sentir? Vem cá.... Mas, se você está namorando ou orando com alguém e quer ter a certeza se ela é a pessoa certa pra você, segue comigo nesse vídeo que eu vou te dá 5 direcionamentos para organizar seus ... Você está em uma entrevista e quer muito ser contratado para aquela tão sonhada vaga, e quer saber como demostrar ao entrevistador que você é a pessoa certa ... Saber escolher é o primeiro passo para encontrar a pessoa certa pra você. Assista essa nova série onde a Cris e eu falamos sobre como os solteiros podem evit...